Onze travestis eram mantidos em cárcere privado em Moema

A Polícia Militar de São Paulo, com o apoio da Secretaria de Justiça e do Ministério Público, estourou no início da madrugada desta quinta-feira uma residência que era utilizada por um aliciador de travestis, em guia de Moema, Zona Sul de São Paulo.

Onze pessoas que trabalhavam para ele eram mantidas em cárcere privado no local. As autoridades do Amazonas receberam a deúnica de um irmão de um dos travestis que era obrigado a trabalhar para o homem. Policiais civis amazonenses entraram em contato com a Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do governo do estado.

O tenente Luciano de Souza explica que o aliciador pagava passagem para os travestis viajarem até São Paulo, mas, quando chegavam na cidade, o preço aumentava.





– O valor da passagem que era de R$ 600, inicialmente informado, passava para R$ 1.200. Eles teriam de pagar um valor dobrado. Enquanto eles não quitassem o valor da dívida não poderiam sair. Mas a dívida aumentava constantemente.

Segundo Souza, o imóvel onde as travestis vivam já estava bastante deteriorado.

– São colchões velhos colocados nos cômodos para que eles se acomodassem com duas ou três pessoas no mesmo cômodo. Restos de alimentos por todos os lados. Situação de higiene bem precária.

O aliciador foi detido e está sendo ouvido na delegacia do Campo Belo na manhã desta quinta-feira.

Fonte: O Globo





Deixe seu comentário